Vacaria, 2/12/2020

27/10/2020 “Dólar engata alta contra real com foco em EUA e disseminação da Covid-19”

O dólar engatava alta contra o real nesta terça-feira, em mais uma sessão de foco na disseminação global da Covid-19 e nas negociações de mais estímulo econômico nos Estados Unidos, a uma semana das acirradas eleições norte-americanas.

A disputa entre o atual presidente, Donald Trump, e seu adversário democrata, Joe Biden, está sendo atentamente acompanhada por investidores de todo o mundo, que estão em busca de pistas sobre possíveis medidas de auxílio fiscal que poderiam ser adotadas depois que os norte-americanos forem às urnas.

Mesmo depois que um pacote anterior expirou, em julho, as autoridades da Casa Branca e Congresso dos EUA passaram os últimos meses sem conseguir chegar a um acordo sobre mais medidas de combate à pandemia, levantando dúvidas sobre a recuperação do emprego e da atividade empresarial da maior economia do mundo.

Enquanto, isso, a Covid-19 continua se espalhando pelos Estados Unidos, gerando temores sobre a imposição de restrições à atividade em algumas partes do país. Na Europa, vários países estão registrando números recordes de infecções, com as autoridades da França buscando opções a lockdowns mais rigorosos.

Segundo João Leal, economista da Rio Bravo, “as expectativas em relação às eleições estão começando a crescer, com alguns investidores tentando prever movimentos poucos claros” ou se preparando para um resultado inesperado. Enquanto isso, “a atenção vai ao pacote fiscal, que pode apresentar avanço durante a semana.”

Às 10:24, o dólar avançava 0,53%, a 5,6416 reais na venda, enquanto o dólar futuro negociado na B3 tinha alta de 0,32%, a 5,66445 reais.

Segundo Leal, apesar da tranquilidade recente nas manchetes domésticas, os temores fiscais continuam sendo uma preocupação para os investidores brasileiros, em uma pauta que deve ganhar força depois das eleições municipais no Brasil. “O principal risco para o fiscal é em relação ao benefício social do governo: não há clareza sobre como será financiado”, explicou.

Além das dúvidas sobre como o governo brasileiro conciliaria seu projeto de auxílio — batizado de Renda Cidadã — a um Orçamento apertado, impasses políticos em Brasília e um ambiente de juros extremamente baixos têm sido apontados como fatores de impulso para o dólar nos últimos meses.

Nesta terça-feira, o Comitê de Política Monetária do Banco Central dá início a sua reunião de decisão de juros, cujo resultado será divulgado na quarta-feira. A expectativa é de que o Copom mantenha a taxa Selic em sua mínima histórica de 2%.

O dólar à vista fechou a última sessão em queda de 0,29%, a 5,6121 reais.

O Banco Central fará neste pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em abril e agosto de 2021.

Fonte: Notícias Agrícolas

 
27 de outubro, 2020