Vacaria, 26/01/2021

26/01/2021 “Trigo/Cepea: baixa oferta interna mantém preço em alta”

Os preços do trigo seguem em alta no mercado brasileiro. Segundo pesquisadores do Cepea, a sustentação vem da baixa disponibilidade doméstica e do maior interesse – ainda que pontual – de compradores. Além disso, a valorização do dólar também influencia as cotações do cereal, à medida que encarece as importações. Quanto às negociações, estão lentas. No mercado de balcão, colaboradores do Cepea relataram que a sustentação vem da maior intenção de compra por parte das cooperativas, que têm como intuito estimular produtores a comercializar e, assim, liberar espaço em armazéns para a safra de soja. Já no mercado de lotes, o vendedor segue retraído, dificultando a aquisição de matéria-prima por parte dos moinhos que necessitam repor estoques. 

Fonte: Notícias Agrícolas

 

26/01/2021 “Soja opera estável, testando leves altas em Chicago nesta 3ª feira de olho nos fundos e fundamentos”

O mercado da soja opera com estabilidade nesta manhã de terça-feira (26) na Bolsa de Chicago e corrige parte das altas fortes do pregão anterior. Os contratos mais negociados, por volta de 7h40 (horário de Brasília), subiam entre 1 e 3 pontos, levando o março a US$ 13,46 e o maio a US$ 13,45 por bushel. A exceção se dava no setembro, que valia US$ 11,80, caindo 1,75 ponto. 

Ao lado dos fundamentos – que são ainda muito fortes, principalmente por parte da demanda – os traders seguem monitorando o comportamento dos fundos investidores, que na semana passada vinham realizando lucros de forma bastante intensa e seguem mais cautelosos neste período de final de mês. 

O clima na América do Sul ainda exige atenção, com a safra brasileira prestes a ser colhida, as condições ideais são esperadas, bem como para a conclusão de lavouras em algumas regiões produtivas, e na Argentina, os campos ainda em desenvolvimento. 

Fonte: Notícias Agrícolas

 

25/01/2021 “Soja: Fundamentos falam mais alto e mercado sobe forte em Chicago na tarde desta 2ª”

A volatilidade continua na Bolsa de Chicago e os futuros da soja não só passaram para o campo positivo, como voltam a operar com altas fortes no início da tarde desta segunda-feira (25). Por volta de 12h30 (horário de Brasília), as cotações subiam entre 18,75 e 28,50 pontos nos principais vencimentos, com o março valendo US$ 13,40 e o maio, US$ 13,39 por bushel. 

O mercado vem corrigindo parte das intensas baixas da semana anterior, quando os preços chegaram a perder mais de US$ 1,00, focando-se ainda na relação apertade de oferta e demanda mundial. Durante as baixas, analistas e consultores mais de uma vez reiteraram ao Notícias Agrícolas a força que o mercado ainda carregava e que o viés positivo dos preços ainda estava presente entre os negócios, mesmo que novos ajustes fossem registrados. 

Nos EUA já mais de 90% do total estimado para exportação na temporada 2020/21 já comprometido e mais de 60% da nova safra do Brasil – a ser colhida – também já comercializada. E também algumas preocupações, mesmo que pontuais, com o clima em partes da América do Sul. 

“As vendas semanais americanas continuam fortes, indicando que o USDA terá, mais uma vez, que revisar seus números de demanda para cima. Outra mudança que o USDA terá qe fazer será revisar para cima a importação de soja, reduzindo assim a pressão sobre os estoques americanos”, explicam os analistas da Agrinvest Commodities. 

De outro, os traders também seguem monitorando os novos casos de coronavírus na China, bem como os de Peste Suína Africana. Ambos exerceram forte pressão sobre as cotações na semana passada, alimentando os movimentos de realização de lucros por partes dos fundos de investimento. 

Fonte: Notícias Agrícolas

 

25/01/2021 “Cotação do milho se recupera e sobe em Chicago nesta 2ªfeira”

A segunda-feira (25) retomou a força para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações contabilizavam movimentações positivas entre 3,75 e 8,25 pontos por volta das 11h41 (horário de Brasília).

O vencimento março/21 era cotado à US$ 5,08 com valorização de 8,25 pontos, o maio/21 valia US$ 5,10 com elevação de 7,50 pontos, o julho/21 era negociado por US$ 5,05 com alta de 6,75 pontos e o setembro/21 tinha valor de US$ 4,55 com ganho de 3,75 pontos.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, apesar de um bando de notícias de alta para o mercado de milho na última sexta-feira, os preços futuros ainda fecharam próximas do limite de baixas em meio as projeções para as safras sul-americanas. 

“Os preços dos futuros lutaram para se recuperar da liquidação de sexta-feira esta manhã, conforme os juros do dinheiro administrado no mercado de milho esfriaram, embora as perdas sejam significativamente menores do que as de alguns dias atrás”, destacou a analista Jacqueline Holland.

A publicação destaca ainda que, as exportações norte-americanas de milho devem começar a ganhar força sazonal nas próximas semanas, um fator que limitou as perdas da manhã antes do relatório semanal de inspeções de exportação de grãos do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Fonte: Notícias Agrícolas