Vacaria, 7/08/2020

06/08/2020 “Milho segue em alta na B3 com contrato setembro/20 subindo 48% no ano”

Os preços futuros do milho seguem seu caminho de alta na Bolsa Brasileira (B3) nesta quinta-feira. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,44% e 1,42% por volta das 12h00 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/20 era cotado à R$ 53,53 com valorização de 1,42%, o novembro/20 valia R$ 54,05 com ganho de 1,12%, o janeiro/21 era negociado por R$ 54,49 com elevação de 0,44% e o março/21 tinha valor de R$ 54,05 com alta de 0,46%.

De acordo com a especialista em grãos e operadora da Mesa Agro da Terra Investimentos, Bianca Moura, a Bolsa Brasileira segue bastante aquecida com mais de 30 mil contratos em aberto neste momento.

“O contrato setembro/20 se mantém a cima dos R$ 53,50 e já registra valorização de 48% em um ano. Mesmo com uma recente retração do dólar ante ao real, a moeda americana já subiu 30% neste ano de 2020”, comenta Moura.

Mercado Externo

Já a Bolsa de Chicago (CBOT) registra poucas movimentações para os preços internacionais do milho futuro nesta quinta-feira. As principais cotações contabilizavam flutuações máximas de 0,75 pontos por volta das 11h59 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/20 era cotado à R$ 3,11 com valorização de 0,75 pontos, o dezembro/20 valia R$ 3,23 com alta de 0,50 pontos, o março/21 era negociado por R$ 3,35 com estabilidade e o maio/21 teve valor de R$ 3,43 com estabilidade.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os preços do milho registraram ganhos modestos ontem, mas pode ser difícil obter um impulso sustentado neste verão (no hemisfério norte), já que os Estados Unidos se preparam para o que pode ser uma safra quase recorde em 2020.

O mercado aguarda o próximo lote de dados de exportação semanal do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) que será lançado ainda nesta quinta-feira. Antes do relatório, os analistas esperam que a agência mostre vendas de milho variando entre 82,7 milhões e 126,0 milhões de bushels na semana que termina em 30 de julho.

Fonte: Notícias Agrícolas

 

06/08/2020 “Milho na B3 acompanha o dólar e começa a quinta-feira subindo”

A quinta-feira (06) começa com os preços futuros do milho contabilizando elevações na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam flutuações positivas entre 0,55% e 1,14% por volta das 09h14 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/20 era cotado à R$ 53,38 com valorização de 1,14%, o novembro/20 valia R$ 53,80 com ganho de 0,65%, o janeiro/21 era negociado por R$ 54,55 com alta de 0,55% e o março/21 tinha valor de R$ 53,80 com estabilidade.

Por volta das 09h19 (horário de Brasília), o dólar subia ante ao real sendo cotado à R$ 5,33 e valorização de 0,91%.

Mercado Externo

Já a Bolsa de Chicago (CBOT) iniciou a quinta-feira com leves baixas para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registravam movimentações negativas entre 0,50 e 0,75 ponto por volta das 09h08 (horário de Brasília).

O vencimento setembro/20 era cotado à US$ 3,10 com queda de 0,50 pontos, o dezembro/20 valia US$ 3,22 com perda de 0,50 pontos, o março/21 era negociado por US$ 3,34 com desvalorização de 0,75 pontos e o maio/21 tinha valor de US$ 3,43 com baixa de 0,75 pontos.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os preços do milho foram mais baixos no comércio da noite para o dia, pois é esperado chuva em partes do Meio-Oeste, o que poderia dar a algumas áreas algumas precipitações muito necessárias.

Tempestades são esperadas no centro de Iowa nesta manhã e tarde, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia.

A publicação também destaca que, um terço do estado está sofrendo de uma seca moderada ou grave em que as perdas de safras são prováveis ​​em alguns municípios, de acordo com o U.S. Drought Monitor. Três meses atrás, zero por cento do estado vivia condições de seca.

“As chuvas em Iowa continuarão na sexta-feira de manhã antes de diminuir, informou a agência. Tempestades também são possíveis no final de sexta-feira até o fim de semana”, diz o analista Tony Dreibus.

Fonte: Notícias Agrícolas

 

06/08/2020 “Manchetes do Boletim Diário de TRIGO, SOJA e MILHO de 05.08.2020 “

Manchetes do Boletim Diário de TRIGO de 05.08.2020 

* ANÁLISE DOS PREÇOS: Brasil deve exportar mais de 1.0 MT de trigo, o que vai baixar a disponibilidade e manter preços altos 

* TRIGO RS: Ofertas de trigo com ph 78 e com ph 75/76 

* TRIGO SC: Preços continuaram inalterados, mas lucrativos 

* TRIGO PR: Deral afirma que produtor paranaense teve 20% de lucro com o trigo, confirmando nossa previsão 

* No Centro-Oeste  preços com pequeno viés de baixa à medida que a safra é colhida 

* TRIGOS IMPORTADOS: Preços finais do trigo argentino nos moinhos do Sul caíram para os meses futuros 

* De São Paulo para cima o preço do trigo argentino terminou o dia em baixa 

* FUNDAMENTOS: Como o grande aumento da produção da Austrália poderá influenciar nos preços do trigo no Brasil 

* CÂMBIO: Dólar tem amplas oscilações no dia, mas fecha em leve alta com foco em Copom 

* ARGENTINA: Preços FOB de exportação e sobre rodas nos portos do UpRiver fecharam em baixa nesta quarta-feira 

* CHICAGO: Trigo fecha em nova queda pelo avanço das colheitas 

Manchetes do Boletim Diário de SOJA de 05.08.2020 

* Preços recuaram um real/saca no porto para setembro, mas subiram no interior 

* No Paraná os preços subiram até 3 reais/saca de setembro em diante 

* Em Minas Gerais os preços permaneceram inalterados 

* RELATÓRIO DA CHINA: China comprou mais 6 cargos entre EUA-Brasil, acumulando 28 cargos na semana 

* SUBPRODUTOS- Mercado internacional: óleo de soja fechou baixa na Índia e China, com alta na Europa 

* CHICAGO: Perspectivas de produção abundante derruba os preços 

* CÂMBIO: Dólar tem amplas oscilações no dia, mas fecha em leve alta com foco em Copom 

Manchetes do Boletim de MILHO de 05.08.2020 

* No RS preço recuou 1 real/saca no porto para R$ 52,00 para safra nova; disponível permaneceu inalterado 

* Em SC preços permaneceram inalterados nesta terça-feira 

* No Paraná negócios realizados na casa dos R$ 50,00/saca FOB no interior  

* MILHO IMPORTADO – Preços do milho paraguaio fecharam em alta nesta quarta-feira 

* O preço do milho chegaria a R$ 66,57 e o americano a R$ 72,56 

* TENDÊNCIAS DAS CARNES: Frango e suíno em alta, boi em baixa 

* MERCADO INTERNACIONAL: Coréia do Sul compra 7 cargos de milho 

* Dia de correção também na B3, depois de 5 altas seguidas 

* CHICAGO: Compras de oportunidade elevaram as cotações 

Consultoria Trigo & Farinhas       
Fone 00 55 41.3209-8542 – Móvel 00 55 41.99251-3697 Vivo
Email/Skype: luiz.pach@hotmail.com
Solicite programas de nossas palestras e cursos de comercialização de grãos
Visite nossa página www.trigoefarinhas.com.br
Curta nossa página no Facebook – Trigo&Farinhas
 

06/08/2020 “Soja: Mercado em Chicago permanece operando com leves perdas nesta 5ª feira”

As leves baixas no mercado da soja na Bolsa de Chicago continuam nesta manhã de quinta-feira (6) e as cotações já registram perdas pela terceira sessão consecutiva. Perto de 7h55 (horário de Brasília), os contratos mais negociados recuavam entre 1 e 2,50 pontos, com o setembro sendo cotado a US$ 8,73 e o novembro, US$ 8,76 por bushel. 

Faltam motivos para o mercado engatar em novos ganhos consistentes, uma vez que a nova safra norte-americana deverá chegar maior do que o inicialmente esperado com uma demanda que ainda com tanta força. Principalmente para a soja 2020/21, as compras da China ainda estão bastante concentradas no Brasil. 

“A ARC novamente ressalta que a boa qualidade da safra nos Estados Unidos e a falta de demanda pelo grão norte-americano continuarão definindo um mercado baixista para as cotações internacionais da soja e milho – mínimas contratuais para ambas commodities deverão ser registradas apenas em setembro/outubro”, explicam os diretores da ARC Mercosul.

Da mesma forma, no Brasil, os preços continuam sendo sustentados pela relação apertada de oferta e demanda, com os prêmios, principalmente, testando os melhores níveis da temporada. 

Fonte: Notícias Agrícolas