Vacaria, 21/11/2019

13/11/2019 “Milho: Bolsa de Chicago inicia 3ª feira com leves altas”

A Bolsa de Chicago (CBOT) iniciou a sessão com leves altas nesta terça-feira (12). Os principais vencimentos registravam altas de 0,25 ponto nesta manhã. 

O contrato com vencimento em dezembro/19 valorizava 0,25 ponto e era cotado a US$ 3,73, março/20 também registrava alta de 0,25 ponto, por US$ 3,82, maio/20 tinha elevação de 0,25 ponto, por US$ 3,89 e julho/20 mantendo a estabilidade por U$ 3,95. 

No mercado físico brasileiro, a segunda-feira também registrou algumas variações.  Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram registradas algumas desvalorizações em Rio do Sul/SC (2,70% e preço de 36,00), Sorriso/MT (disponível – queda de 10% preço de 27,00) e Sorriso/MT (balcão – baixa de 11,54% e preço de 23,00). 

Fonte: Notícias Agrícolas

 

11/11/2019 “Milho: Demanda interna aumenta e impulsiona cotações”

Compradores voltaram a demonstrar interesse por novos lotes de milho no spot, o que elevou os preços do cereal nos últimos dias na maior parte das praças acompanhadas pelo Cepea. Já nos portos, o ritmo de negociação diminuiu, visto que muitos vendedores têm priorizado a comercialização no mercado doméstico – onde os preços estão mais atrativos. Ainda assim, os embarques estão firmes e devem se manter aquecidos nos próximos meses. Segundo a Secex (Secretaria de Comércio Exterior), as exportações de milho somaram 6,14 milhões de toneladas em outubro, apenas 5,6% abaixo das de setembro. No mercado interno, entre 1º e 8 de novembro o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) subiu 3,3%, fechando a R$ 42,94/sc de 60 kg na sexta-feira, 8. 

Fonte: Notícias Agrícolas

 

11/11/2019 “Manchetes do BOLETIM DE TRIGO, SOJA e MILHO de 08.11.2019”

Manchetes do BOLETIM DE TRIGO de 08.11.2019

* FUNDAMENTOS: Preços das farinhas em queda e preços do trigo se mantendo estáveis = prejuízo para os moinhos

* FARINHAS DE PANIFICAÇÃO: Preços ainda não caíram substancialmente, mas pressão é grande

* FARINHAS INDUSTRIAIS: Tendência do mercado parece ser a de piorar, não de melhorar

* FARINHA ARGENTINA: Preço recuou um pouco, não deve cair mais este ano, mas em 2020 deve cair mais

* MASSAS & BISCOITOS: Indústrias já se abasteceram além do necessário e se retiraram do mercado

* CONGELADOS: Aumento no volume de vendas por conta das Festas de final de Ano

* MERCADO DE BALCÃO-1: Preços pagos aos produtores do PR subiram 1,12% e na média Cepea subiram 0,22% 

* MERCADO DE BALCÃO-2: No RS os preços aos agricultores subiram 0,10%, os da média Cepea caíram -0,97% na semana 

* ANÁLISE DOS PREÇOS: Muito prováveis perdas de qualidade do que falta colher no RS pode fazer preços subirem?

* Trigo paraguaio subiu 10 dólares/t no Oeste do PR

* Trigo argentino-1: baixa qualidade no norte, preços da safra nova muito baixos

* Trigo argentino-2: O que acontecerá com o trigo argentino após a posse do novo governo?

* Exportação aguarda resultado das chuvas no RS para aumentar o volume de compras

* FUNDAMENTOS: USDA projeta menores disponibilidades, menor uso doméstico, estoques finais  e preços menores para os EUA

* Para o Mercado internacional de trigo USDA projeta maiores disponibilidades e estoques finais maiores

* CÂMBIO: Instabilidade política faz dólar subir 1,83%, fechando em R$ 4,1684

* ARGENTINA: Preço FAS Teórico US$ 173,81/t e o mercado físico em US$ 180 (A$11.400)

* FUTUROS: Terceira semana de queda para o trigo americano

Manchetes do BOLETIM DE SOJA de 08.11.2019

* ANÁLISE DOS PREÇOS: Altas seguidas do dólar levaram produtores para o porto

* Grandes produtores brasileiros aproveitam valorização do dólar e realizam vendas expressivas

* No mercado internacional, Rotterdam sobe e Dalian cai

* FUNDAMENTOS: Plantio no MT atinge 91,55%

* ANALISE SEMANAL: Semana de tirar o fôlego e aproveitar os bons preços

* FUNDAMENTOS-2: USDA prevê menor produção mundial, esmagamento e menores estoques mundiais para 2019/20

* CHICAGO: Expectativa de aumento dos estoques de soja americana pressiona cotações  

* CÂMBIO: Instabilidade política faz dólar subir 1,83%, fechando em R$ 4,1684

Manchetes do BOLETIM DE MILHO de 08.11.2019

* ANÁLISE DOS MERCADOS: Preços do milho, apesar de estagnados na semana, estão altos e podem subir mais

* ANALISE SEMANAL: Dólar alto impulsiona as exportações, que competem com o mercado interno e elevam preços

* FUNDAMENTOS: USDA reduziu os estoques de milho americano e mundial, sendo fator de alta para os preços

* B3: Nova alta continua confirmando nossa previsão

* CHICAGO: Preço do milho com leve alta, apesar da disparada no volume de contratos

Consultoria Trigo & Farinhas
Fone 00 55 41.3209-8542 – Móvel 00 55 41.99251-3697 Vivo
Email/Skype: luiz.pach@hotmail.com
Solicite programas de nossas palestras e cursos de comercialização de grãos
Visite nossa página www.trigoefarinhas.com.br
Curta nossa página no Facebook – Trigo&Farinhas
 

11/11/2019 “Milho: segunda-feira começa com cotações em baixa na Bolsa de Chicago”

A segunda-feira (11) começa com desvalorizações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam quedas entre 2,25 e 2,75 pontos por volta das 09h01 (horário de Brasília).

O vencimento dezembro/19 era cotado à US$ 3,74 com baixa de 2,75 pontos, o março/20 valia US$ 3,84 com perda de 2,25 pontos, o maio/20 era negociado por US$ 3,91 com desvalorização de 2,50 pontos e o julho/20 tinha valor de 3,97 com queda de 2,50 pontos.

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros de milho em Chicago caem nesta segunda-feira, com as preocupações com a fraca demanda aumentando a pressão da recente força do dólar.

“Um dólar mais forte e uma fraca demanda por suprimentos nos Estados Unidos pesam sobre o milho e a soja”, disse Phin Ziebell, economista do agronegócio do National Australia Bank.

No entanto, os preços receberam algum apoio na última sexta-feira, após o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reduzir sua perspectiva de colheita de milho para 13,661 bilhões de bushels (346,9 milhões de toneladas), ante 13,779 bilhões (349,9 milhões de toneladas) no mês anterior. A perspectiva foi baseada em um rendimento médio de 167,0 bushels por acre (174,69 sacas por hectare), abaixo dos 168,4 bpa (176,15 sacas por hectare) anteriormente.

Fonte: Notícias Agrícolas